segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Despedidas, distância e saudade...



  Não lido bem com despedidas nem com distância! 
  
  Parece-me tão injusto ter que ver as pessoas que mais amo e dizer tchau, aquelas pessoas que me fizeram sentir especial, que só de ver já me fazem sorrir, que os abraços sempre me confortaram, que as palavras sempre foram úteis, que os conselhos foram de bom coração, aquelas de quem a preocupação comigo foi sincera... 
  Pra então só restar saudade? As boas lembranças não me parecem suficientes, tampouco.
  Nada paga a presença física, poder ver de perto o brilho nos olhos de quem é especial pra gente! Ninguém substitui quem já passou por nossas vidas e fez diferença, que fez-nos sentir algo bom. As memórias não são descartáveis assim!

  Quando a gente é criança mal nota as despedidas ou as mudanças, nos adaptamos rapidamente a novos ambientes, mas então a gente cresce e as coisas se complicam: a gente se envolve mais com as pessoas, conhece-as melhor, divide problemas, responsabilidades, divide conquistas, anda junto por um trecho da vida para, um dia, nossos caminhos seguirem rumos diferentes! Dizer tchau já não parece mais tão fácil quanto era, e quem vai embora leva um pedaço da gente, parece que perdemos algo e ganhamos em troca aquele nó na garganta, troca injusta...

  Dramático? Não.


  Feche os olhos agora e pense em alguém que está distante, que não vê a muito tempo mas que ainda assim é única pra você, alguém que você perdeu mas que ainda ama incondicionalmente. O que consegue sentir? Você ainda é capaz de ouvir a risada dessa pessoa mentalmente? Consegue ver o sorriso com riqueza de detalhes? Isso machuca? Você sorri e ao mesmo tempo uma lágrima ameaça surgir?  O nome disso é saudade! Palavra do nosso idioma que resume uma mescla de sentimentos e traduz o que se sente por alguém que não mais se encontra, e nenhum outro idioma consegue traduzir em uma única palavra. 


  Esse é o sentimento dos que amam! Não se envergonhe dele, aprenda com ele e seja mais forte. A saudade é dolorosa, mas é indício de que algo bom existe e que nem a morte é capaz de apagar.

Giovana Renoldi


quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Meu pontinho de paz



  Hoje minha maior vontade era escrever sobre os bons filmes que assisti (comentarei sobre eles depois, talvez), sobre bons sentimentos, mas só consigo pensar no que eu mais preciso agora, um pouco da minha paz.

  Sabe aquele bom sentimento de que está tudo como deveria estar? Bom, é desse ai que eu estou falando...
  Algumas vezes parece que passou um pequeno furacão em nossas vidas e conseguiu tirar absolutamente tudo do lugar, talvez ele tenha mesmo passado e tudo o que precisamos é de um pontinho de paz.

  Dessa vez eu não sabia a quem ou a que recorrer pra encontrar isso (que parece tão simples).
  Escrever está me parecendo bastante aceitável, é um ótimo exercício para a mente e alivia a alma!
  Respirar fundo não serviu pra clarear a mente, gritar e chorar menos ainda. Geralmente músicas me acalmam, mas hoje o dia está estranho desde que acordei.

  E por mais estranho que pareça, por mais difícil de entender que isso seja para alguns, o que me deixou um pouco mais calma foi ouvir aquele miado fraquinho e insistente do meu gato deitado na porta do meu quarto, olhando pra mim como quem entende tudo que eu estou sentindo, como se pedisse permissão pra ajudar. Instantaneamente ele muda, fica mais calmo, e tenta deitar o mais próximo possível, pede carinho e "segura" minha mão como se mais nada importasse, como se ele soubesse o quanto essas pequenas coisas me fazem bem! Ele brinca com meu cabelo que está mexendo, esconde minhas roupas que estão fora do lugar, ele dorme no meu braço e se esconde entre meus travesseiros, bagunça minhas coisas, derruba o que está ao seu alcance, me espera na escada, pula em mim quando eu apareço, sai correndo quando eu o assusto, mas volta e brinca de esconder. Me faz rir e esquecer o que me faz mal, faz eu me sentir responsável por algo. Pelo meu esforço para ser uma boa dona, minha recompensa é um carinho, uma lambida, uma mordida... 


Meu pontinho de paz...
  Queria que algumas pessoas entendessem essa importância do Romeu em minha vida, de bônus poderiam entender também a importância de coisas pequenas, coisas que faltam! E quem nunca teve um bichinho que fosse importante? Quem nunca sentiu o mesmo? Bichinhos são a melhor companhia em muitas ocasiões... Não respondem, mas não nos machucam também, nem ferem com palavras.
  
É isso aí, não estou pretendendo fazer deste blog o meu diário particular, mas falar de sentimentos certamente vai me render muitos textos ainda!
  Pronto, desabafo feito... Hora de dormir!

Giovana Renoldi

sábado, 22 de janeiro de 2011

Atenção: procura-se coração perdido.





   Ele saiu sem rumo após uma briga com o cérebro.
  Não sei bem ao certo se ele ainda foge ou se esconde em algum lugar onde não haja tanta racionalidade.
  Ele disse que está cansado de não ser levado a sério, cansado de sofrer e ter que deixar o cérebro comandar cada passo seu, cansado de bater sozinho. Alegou estar em pedaços e que ainda encontraremos alguns deles pelos cantos, pedaços que ele já não conseguia mais fazer com que ficassem no lugar e que a falta deles machuca menos do que tentar mantê-los por perto. Ele tem cicatrizes recentes, de mágoas doloridas que não o deixam esquecer nada... E há sempre aquelas cicatrizes que incomodam em dias de chuva.
  Pobrezinho, ele é frágil e precisa de cuidados.
  Já foi abandonado e não suporta mais essa dor. Já se enganou, já se rendeu... 
  Ainda não teve a sensação de ser correspondido e não mais se apaixona loucamente (ordens do cérebro), mas sempre pediu muito para encontrar um coração pelo qual batesse mais forte.
  E como ele foi forte! Resistiu.

  Quero-o de volta, tudo fica pior sem ele.

  Se encontrá-lo, diga que faz falta por aqui.
  Se não quiser devolvê-lo, apenas cuide para que não se machuque mais! E diga-me que ele está bem...



Giovana Renoldi


sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

SAC - Serviço de Auxilio a Conquista


  Em muitas espécies que habitam esse planeta o macho conquista a fêmea exibindo dons: dançam, cantam, demonstram força para provar que são os portadores dos melhores genes, que seus descendentes serão mais fortes, e fazem isso com o único objetivo de acasalar e garantir que a espécie não desapareça.
  Mas para total desespero dos homens - ou não - com a raça humana o que deveria ser simples é muito complicado e exige tempo, paciência, disposição, saúde e outros atributos.     

  As fêmeas da nossa espécie não têm um manual de instruções, cada uma gosta de uma coisa diferente, procura atributos e capacidades diferentes em seus parceiros! Mas aqui vão algumas dicas para aqueles que estão procurando suas parceiras:


- Seja inteligente o suficiente para mantê-la interessada;

- Seja persuasivo para conseguir convencê-la de que você vale à pena;

- Seja fiel, já que as fêmeas da nossa raça não são das que aceitam a divisão do seu parceiro sem uma boa briga;



- Seja atencioso, além de trabalhar, tem que dedicar um pouco do seu tempo de descanso para ouvir sua nem sempre adorável dama;

- Seja carinhoso inclusive nos dias de TPM;

- Nem sempre é necessário ser forte, mas seja capaz de garantir a segurança da fêmea desejada;

  Como um bônus para os moços: Não é necessário saber dançar, cantar ou exibir dons artísticos, mas estes dons podem fazer toda a diferença.

  Segundo minha mãe, se meu irmão dependesse de dança de acasalamento para encontrar alguém, ele viveria sozinho. Ouvi-la falar sobre isso me deu vontade de escrever a respeito. Se fosse necessário dançar, cantar ou exibir dons artísticos, não só meu irmão, mas centenas de homens estariam completamente sozinhos agora devido à completa falta de sensibilidade ou coordenação motora para esse tipo de coisa, mas ver aqueles pedaços de madeira se esforçando nos renderia boas risadas.

  Colaborem conosco rapazes! Ajudem-nos a escolher.



Giovana Renoldi

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Segurança da minha mente...

  A segurança é algo que só encontro quando fecho os olhos e sonho, ainda que não esteja dormindo. É em minha mente que estou segura para meus devaneios insanos, meus planos sem rumo, minha vida fantasiada e meu príncipe encantado, aquele com quem vou me casar e ser feliz para sempre. É em minha mente teimosa, que as pessoas continuam sendo ingênuas e agem sem maldade, é aqui o meu refugio das frustrações da realidade, das ilusões construídas ao longo dos dias nas quais gostamos tanto de acreditar!
  É em minha mente que os sonhos e desejos se manifestam com maior intensidade, com mais sinceridade, pois aqui não há com o que me preocupar. Não há motivos para temer a opinião dos outros quando estou em segurança no meu mundo particular, faço e desfaço minha vida, apago e corrijo meus erros, não há decisões erradas, apenas muitas hipóteses... Em meio a tantas mudanças ainda há espaço para uma tranqüilidade fictícia.
  E é aqui, tão perto, onde ninguém me machuca ou entristece que eu posso ser quem quiser ao lado de quem quiser, sem que percebam ou critiquem, é onde me encontro e tenho o direito de ser plenamente feliz, sem importar como as coisas estão do lado de fora, aqui sou simplesmente eu! Só quem nunca buscou asilo em pensamentos não encontrou o conforto de estar só consigo mesmo nem a paz que se manifesta e acalma o coração.

Giovana Renoldi

Sonhar dormindo, sonhar acordado e viver

  Durante o dia acontece tanta coisa que fica difícil escolher um único assunto!
Mas hoje, quando acordei de um sonho bom, achei que seria interessante começar escrevendo sobre o assunto.
  Enquanto dormimos perdemos o controle de nossos pensamentos, de nossas vontades e nossos medos, então estes se manifestam da forma mais sincera possível, algumas vezes tão realista que quando você abre os olhos consegue lembrar de detalhes de tudo o que viu e sentiu. Se era um sonho bom, você deseja fechar os olhos e voltar para lá, no ponto exato onde parou (o que é quase impossível) para prolongar aquele momento por mais alguns minutos, mas se era ruim você tenta fazer com que as imagens desapareçam para sempre, não é?!
  Tão previsível e tão surpreendente máquina humana!
  Bom, essa noite sonhei que meus planos tinham se concretizado e eu estava longe... Uma vontade tão grande na vida real que se transformou em sonho durante a noite e me fez acordar sorrindo, desejando que ele tivesse durado um pouco mais! Um sentimento bom me fez levantar e continuar planejando, me organizando para que as coisas acabem dando certo. Ponto positivo para os sonhos! 

  Mas agora é a hora de sonhar acordada, outra ação humana inconsciente que ajuda a tomar decisões (ou não). Não conseguimos prever todas as "cenas" das nossas vidas e não sabemos como estarão as coisas no fim do dia, nós apenas "sonhamos". Pensamos em situações hipotéticas, criamos personagens, dizemos o que eles farão, comandamos tudo (desejo humano que já foi assunto de filmes). Sonho que a gente sonha acordado é aquele onde podemos escrever e apagar histórias, amar e ser amado como queremos, controlando tudo e todos como se fossem bonecos. Então decidimos as ações das pessoas a nossa volta e pensamos nas nossas próprias ações diante do que acontece. Vivemos uma única cena várias vezes, de várias formas, até que aconteça como queremos - tal controle que nós não temos na vida real.

  Entretanto, paralelamente aos devaneios continuamos vivendo. 
  As vezes tão "sem sal", as vezes tão magnífica, a vida permanece inconstante...

  Por mais que sonhos possam parecer intensos, por mais que pareça perfeito, a vida real é muito mais.
  Aquele toque, aquele beijo, aquele cheiro que você lembra durante o sonho?! você sentiu vivendo...
  Aquela imagem, aquela pessoa, aquele lugar?! Você viu enquanto vivia...
  O coração batendo mais rápido, aquela sensação gostosa de euforia, o som da risada de quem você ama, a brincadeira boba, o olhar sincero, a dor que te fez mais forte?! Você só consegue tudo isso quando decide viver, colocar em prática o que aprende, correr atrás daquilo que deseja...
  E Por mais que sonhar seja fundamental e inevitável, viver proporciona o sonho! 
  Vamos viver e deixar que os sonhos se transformem, que a vida mude de rumo e traga boas pessoas, boas viagens, boas risadas e algumas lágrimas a mais, desde que nos surpreenda todos os dias...


Giovana Renoldi

Cuidado: Obras

  Sou um ser em construção! Ter 18 anos não está sendo fácil. Cheia de expectativas, ansiedade e sentimentos. Ainda acredito na pureza das pessoas e me iludo, choro quando estou triste, dou risada quando estou me divertindo, fico vermelha quando sinto vergonha e começo a tremer quando estou nervosa.
  Posso me comparar a um poço. Se sobrecarregada, transbordo. Posso ser um cachorro também. Se provocada, avanço, se cultivada, sou amiga fiel. Posso ser comparada a muitas coisas, sou um ser humano e reajo às situações que vivo.
  Já tentei escrever sobre mim outras vezes, e é incrível como fico frustrada sempre. Não consigo dizer muito, é complexo demais: a fase que estou vivendo, as constantes mudanças, tudo!
  Minha unica sugestão deve ser levada a sério. Posso dizer quem sou hoje, mas amanhã posso estar diferente. Meu mundo está sendo modificado, minhas estruturas estão voláteis. Por favor: Cuidado.



Giovana Renoldi

Início de blog...

Sou nova nesse assunto de blog!
Acompanho alguns de uns poucos amigos e decidi escrever também...
Se vou ter público eu já não sei né?! Espero que sim!


Esse é o primeiro post de muitos que estão por vir, espero alcançar meus objetivos com esse novo projeto!
Leitores, caso não gostem de algo ou se quiserem discutir algum assunto abordado, se pronunciem...
Vou deixar meu e-mail aqui para comentários, sugestões e se alguém quiser que eu publique algo é só entrar em contato...


giovana_renoldi@yahoo.com.br


Sejam Bem-vindos ao meu mundo *-*